Dezoito anos de assentamentos rurais: Diferentes dimensões desta difícil maioridade

Dulce Consuelo Andreatta Whitaker

Resumo


A oportunidade de refletir sobre os 18 anos de existência dos Projetos de Assentamentos da região de Araraquara (completados em 2003) parece ser um momento ideal para um balanço dessa realidade complexa, tanto em termos de avaliação das políticas públicas geradoras dos assentamentos, quanto do nível de organização e atividade política dos trabalhadores rurais da região, sem dúvida, os principais artífices desse cenário polêmico e diversificado. Oferece, também, a possibilidade de refazer o percurso de investigação sobre essa temática, que, a rigor, inicia-se mesmo antes da instalação dos primeiros núcleos de assentamentos na Fazenda Monte Alegre (1985), a partir de estudos feitos sobre os movimentos de trabalhadores rurais em sua luta por direitos (Ferrante, 1984 e 1986). Como um trabalho mais sistemático de investigação, a fundação do Núcleo de Pesquisa e Documentação Rural (Nupedor), em 1988/9, transformou essa reflexão em uma sementeira de novos pesquisadores e uma referência nacional no debate acerca da temática, além de fornecer uma base acadêmica para o acompanhamento continuado dos assentamentos. Completar 18 anos, para qualquer cidadão brasileiro significa atingir a maioridade. E isso pode constituir-se numa analogia útil para a compreensão do momento vivenciado pelos assentamentos. Não só porque já existe uma geração que cresceu nesses novos espaços sociais, encravados entre os canaviais e laranjais da região, mas também – e acima de tudo – porque essa “maioridade” é atingida exatamente no ano da posse de um presidente da República (Lula – 2003/2006), que sempre teve no tema da Reforma Agrária uma das suas principais bandeiras políticas. A partir disso, a efeméride passa a ter um significado maior, justificador de uma reflexão desta natureza. Seria, por assim dizer, a “idade da razão” dos assentamentos de reforma agrária? Ou nada de novo desponta no horizonte dessas experiências, que possa indicar uma mudança qualitativa de seu status e desenvolvimento? São questões que merecem um esforço tal qual o pretendido neste artigo.


Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, E. A. de. Processo de Trabalho, espaço e sociabilidade: A sericicultura no Assentamento de Reforma Agrária do Horto de Silvânia – Araraquara – São Paulo. Dissertação de Mestrado. Departamento de Pós-Graduação em Sociologia, FCL/Unesp, Araraquara – SP, 1997.

ARAÚJO,R.A. Os”Pés Vermelhos” e a Proposta de Agrupamento da Escola Rural. Dissertação de Mestrado. Departamento de Educação. UFSCAR – São Carlos, 1996.

ARIÉS, P. Historia Social da Criança e da Família. Zahar, Rio de Janeiro, 1981.

BARAONA, Rafael. Um Campesino por Dentro. IV Congresso Latino Americano de Sociologia Rural, 1994.

BARONE, L. A. Revolta, Conquista e Solidariedade: a economia moral dos trabalhadores rurais em três tempos. Dissertação de Mestrado. Departamento de Pós-Graduação em Sociologia, FCL/Unesp – Araraquara – SP,1996.

________. A economia moral num mundo de agricultura modernizada: o caso dos bóias-frias de Guariba. In: Retratos de Assentamentos, ano V, no. 7, FCL/UNESP, Araraquara, 1999.

________. Assistência técnica aos assentamentos de reforma agrária: da política reativa ao vazio de projeto – o caso do Estado de São Paulo. In: Retratos de Assentamentos, ano VI, no. 8, FCL/UNESP, Araraquara, 2000.

_______. Conflito e Cooperação: o jogo das racionalidades sociais e o campo político num assentamento de reforma agrária. Tese de Doutorado. Departamento de Pós-Graduação em Sociologia, FCL/Unesp, Araraquara – SP, 2002.

BARROS, E. e FERREIRA, B. Descentralização e novos arranjos institucionais para agilizar o processo de reforma agrária. Novos? Caderno de Ciências e Tecnologia. Brasília, v. 14, n° 2, 1997.

BAÚ, Cristina H.R. Pequenos produtores de cana-de-açúcar na região de Araraquara: uma estratégia de produção de sobrevivência no assentamento Bela Vista do Chibarro. Dissertação de Mestrado. Departamento de Pós-Graduação em Sociologia, FCL/Unesp – Araraquara – SP, 2002.

BOURDIEU, P. A Economia das Trocas Simbólicas. São Paulo: Perspectivas, 1992.

BOURDIEU, P. O Poder Simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1989.

BRANCALEONI, A. P.L. Do Rural ao Urbano: o processo de adaptação de alunos moradores de um assentamento rural à escola urbana. Dissertação de Mestrado. Departamento de Pós-Graduação em Psicologia. FFCL/USP - Ribeirão Preto, 2002.

BRANDÃO, C. R. O que é Educação. São Paulo, Brasiliense, 1995

CHONCHOL, M. E. F. O assentamento horto de Silvânia: resposta ao programa bóia-fria na região de Araraquara (relatório de pesquisa), Paris/FRA, 1985.

_______ e D’INCAO, M. C., “Génese d’une politique et gestion locale: des familes bóias-frias renovent avec la terra dans l’etat de São Paulo”. Cahier du Brésil contemporain, no. 7. Paris, 1989.

DANCINI, Eliane Amábile. Tempo, memórias e utopias: cortadores de cana em Guariba e Barrinha (Dissertação de Mestrado), São Paulo: PUC, 1989.

DANTAS, A. Uma Tentativa de compreensão do homem rural: diferentes olhares. Dissertação de Mestrado, Departamento de Pós-Graduação em Sociologia, FCL/Unesp, Araraquara – SP, 1995.

DEMARTINI, Z. B. F. Observações sociológicas sobre um tema controverso: população rural e educação em São Paulo – 1979. Tese de Doutorado. USP - São Paulo.

D’INCAO, Maria C. O bóia-fria: acumulação e miséria. Petrópolis: Vozes, 1975.

________. “O movimento de Guariba; o papel acelerador da crise econômica”. Revista Política e Administração, vol. 1, no. 2, Rio de Janeiro: FESP, 1985.

_______ e BOTELHO, M. R. Movimento social e movimento sindical entre os assalariados temporários da agroindústria canavieira no Estado de São Paulo. In: SADER, E. (org.) Movimentos Sociais na Transição Democrática. São Paulo: Cortez, 1987.

________ e ROY, G. Nós, Cidadãos. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995.

FERRANTE, V. L. S. B. “Tamoio: olha! Tem nó na cana!”. Revista Perspectivas. Vol. 7, São Paulo: UNESP, 1984.

________. Bóias-frias em greve: a coletivização dos espaços de luta. In. Anais do XI Encontro Nacional da PIPSA. Unesp/Botucatu: 1986, p. 488-513.

________ e SILVA, M. A. M. “A política de assentamentos rurais do Estado de São Paulo: o jogo das forças sociais no campo”. Revista Perspectiva, vol. 11, São Paulo: UNESP, 1988.

________. A Chama Verde dos Canaviais. Tese de Livre-Docência. FCL/UNESP, Araraquara, 1992.

________ e BERGAMASCO, S.M.P.P. (org.) Censo de Assentamentos rurais do Estado de São Paulo. NUPEDOR, CPEA, Pós-Graduação em Sociologia/FCL/Unesp, Araraquara, 1995. 488p.

________ e BARONE, A.L. Homens e Mulheres nos assentamentos: violência, recusa e resistência na construção de um modo de vida. Revista Perspectiva. vol. 20/21, EdUNESP, SP, 1997/98.

_______ e Santos, M. P. A cana nos assentamentos: novas roupagens, velhas questões. Anais Congresso SOBER, 2003.

FIAMENGUE, E. C. Entre o Espaço vivido e o Espaço Sonhado: Imagens da infância num Assentamento de Trabalhadores Rurais. Dissertação de Mestrado. Departamento de Pós-Graduação em Sociologia, FCL/Unesp – Araraquara – SP, 1997.

FINARDI, João A. O movimento sindical paulista entre divisões e dilemas. Dissertação de Mestrado. Departamento de Pós-Graduação em Sociologia, FCL/Unesp, Araraquara – SP, 2000.

FLORES, M. X. e MACEDO, M. C. Novos Rumos de Desenvolvimento Rural. In: AGUIAR, D.R.D. e PINHO, J.B. (eds). Anais do XXXVII Congresso Brasileiro de Economia e Sociologia Rural. Foz do Iguaçu, SOBER, 1999.

GEBARA, J. J. e BACCARIN, J. G. Proálcool: ocupação do solo, emprego agrícola e estrutura agrária na região de Ribeirão Preto (SP). Relatório do Projeto Proálcool e agricultura regional: efeitos gerais e sobre a mão-de-obra, PNPE/IPEA, 1984.

GIDDENS, A. A constituição da Sociedade, São Paulo: Martins Fontes, 1989.

MARTINS, J. S. Sobre o Modo Capitalista de Pensar. São Paulo, Hucitec, 1976

MORIN, E. O Método volume VI. Publicações Europa América, Portugal, 1991.

NEVES, D.P. Assentamento Rural: reforma agrária em migalhas, Niterói, EdUFF,1997.

PINASSI M.O. e QUEDA, O. Consórcio canavieiro: proposta inovadora ou reedição de práticas tradicionais? Revista Reforma Agrária, no. 2, vol. 23, Campinas:ABRA, 1993.

ROSIM, L. H. Nas Terras da Usina, o fazer-se de um assentamento. Dissertação de Mestrado. Departamento de Pós-Graduação em Sociologia, FCL/Unesp – Araraquara – SP,1997.

SIMMEL, G. Sociologia, 1, Madrid: Alianz Editorial,1986.

STETER, E. A. A cultura da cana em assentamentos rurais: presença indigesta ou personagem convidada. Dissertação de Mestrado. Departamento de Pós-Graduação em Sociologia, FCL/Unesp, Araraquara – SP, 2000.

WHITAKER, D. C. A. Ideologia e Práticas Culturais: o controle ideológico dos trabalhadores da cana. Tese de Doutorado. Faculdade de Educação. USP – São Paulo, 1992.

_______. O rural-urbano e a escola brasileira. Travessia: Revista do migrante, ano V, n° 12, 1992.

_______. Escolha da Carreira e Globalização, Editora Moderna, São Paulo, 1997.

_______. Ruralidade e Aspirações por Educação Escolar. In Colloquium – volume I, número 1 – Pró Reitoria de Pesquisa e Pós Graduação – UNOESTE – Presidente Prudente – S.P. 1997.

_______. Sociologia Rural. Questões metodológicas emergentes. Letras a Margem (Apoio CNPq), Presidente Venceslau, 2002.

_______. Nas franjas do rural-urbano: meninas entre a tradição e a modernidade. Caderno Cedes. n º 56, 2002, pp 7-22.




DOI: http://dx.doi.org/10.25059/2527-2594/retratosdeassentamentos/2004.v7i1.1

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2015 Revista Eletrônica Retratos de Assentamentos



Revista Retratos de Assentamentos e-ISSN: 2527-2594 

Rua Carlos Gomes, 1338, Centro / Araraquara-SP / Brasil / CEP 14801-340

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.